E se a crise for uma transição?

Em 2007, Brian Chesky e Joe Gebbia, dois estudantes da Escola de Design de Rhode Island pediram demissão de seus empregos e se mudaram para São Francisco em busca do sonho de empreender. O problema é que eles não tinham ideia alguma.

Os amigos já estavam em dificuldade e para piorar sua situação, receberam a notícia de que o aluguel aumentaria e eles não tinham mais nenhum dinheiro para se sustentar.

Haveria uma grande conferência de design na cidade pelos próximos dias, e diante da grave crise que enfrentavam, Brian e Joe olharam para o espaço vazio de seu apartamento e tiveram a simples ideia de jogar colchões de ar no chão e alugar o espaço para quem quisesse passar a noite.

Eles cobraram 80 dólares por pessoa, com direito a um café da manhã preparado por eles.

Sem nenhuma expectativa, a ideia acabou dando certo e na primeira noite se hospedaram 3 pessoas. Alguns blogs locais gostaram da ideia e escreveram artigos sobre eles.

Em 2008, convidaram Nathan Blecharczyk e transformaram o pequeno negócio em um site, conhecido por Air Bed and Breakfast”.

Hoje eles são a maior empresa de hospedagens do mundo, com um valor de mercado de 25 bilhões de dólares.

Brian Chesky, Nathan Blecharczyk e Joe Gebbia
Brian Chesky, Nathan Blecharczyk e Joe Gebbia do Airbnb

Se você ainda não sabe de quem estamos falando, trata-se do Airbnb.

O Airbnb é um site de hospedagens, baseado em Economia Compartilhada. Nele você pode alugar espaços oferecidos por outras pessoas como: quartos, casas, apartamentos e outras opções inusitadas tipo barcos, trailers, casas na árvore e até castelos.

São 2 milhões de ofertas, espalhadas em 57 mil cidades de 190 países pelo mundo, e ainda 60 milhões de usuários.

Em 2015 o Airbnb se consolidou como a maior de seu segmento, superando grandes e tradicionais redes hoteleiras como IHG, Hilton e Marriot que possuem mais de 600 mil quartos cada uma.

Diferentemente de seus concorrentes, o Airbnb não possui uma propriedade sequer. Sua vantagem competitiva não está ligada ao seu patrimônio, mas sim em promover, através de sua plataforma, a conexão entre quem oferece e quem busca hospedagem, de um jeito super diferente que muita gente está gostando.

Airbnb guest (Cocriando Valor)

Essa nova forma de fazer negócios está mudando não só o jeito como as pessoas se hospedam possibilitando que vivam experiências mais completas, como também toda a indústria hoteleira, provocando uma grande disrupção no mercado.

Tal situação é a mesma de casos como o do Uber com os taxistas, Whatsapp com as operadoras e Netflix com as redes de tv, onde a chegada de serviços inovadores causaram impacto na indústria.

E este conflito vai acontecer em todos os segmentos, é uma questão de tempo.

As pessoas estão começando a entender o poder da internet, das conexões em rede, e o  quanto são empoderadas através da tecnologia, que interliga todos em um único meio.

Por meio da tecnologia podemos nos conectar com milhares de pessoas ao redor do mundo e convergir produtos, serviços, recursos, habilidades, e muito mais.

collaborative

No caso dos amigos Brian e Joe, a grande sacada foi enxergar como poderiam agregar valor utilizando o espaço ocioso de seu apartamento.

E é disso que a Economia Compartilhada trata. De gerar valor a partir de recursos já existentes, porém pouco aproveitados.

Muitas vezes não enxergamos o quanto somos ricos em recursos. Mas, apenas uma mudança no ponto de vista nos permite ver como estamos cercados por infraestrutura, habilidades, espaços e relacionamentos ociosos.

A grande virada é compreender e ativar tais recursos.

Recursos - Cocriando Valor

Normalmente os recursos existem mas estão inativos. Ao serem colocados na rede por meio de plataformas de tecnologia, eles se ativam e ganham exponencialidade.

Ajustar nossas lentes para enxergar os recursos potenciais, nos permite ver muito além do mundo linear que conhecemos.

Fomos educados para valorizar recursos tangíveis, viver organizações hierárquicas, sistemas competitivos, excesso de controle, repetição e propriedade.

O resultado é um sistema escasso. Atualmente mergulhado em crise.

Por outro lado, mudar o ponto de vista nos faz entender o potencial de um sistema abundante, de recursos intangíveis, organizações distribuídas, baseadas na colaboração, confiança, inovação, acesso e criatividade.

Este é o mundo exponencial, repleto de oportunidades.

linearxexponencial

Assim, transformar crise em oportunidade é um exercício de alterar o ponto de vista, ajustar nossas lentes para entender que na verdade estamos em transição.

Transição do modelo econômico, social, político, pessoal. Transição nos negócios, nas empresas, nas organizações. Na forma de se relacionar, de consumir, de descartar.

E na transição tudo muda. E abre oportunidades para o novo .

As oportunidades são para todos. Olhe ao seu redor e perceba o quanto tem de recursos disponíveis que podem ser ativados.

Infraestrutura - Cocriando Valor

Olhe para seus conhecimentos, habilidades, competências, atributos, valores. Entenda qual o seu dom, o que você sabe fazer de melhor e comunique isso ao mundo. Você pode gerar valor com suas habilidades. Isto é Economia Criativa. O processo de gerar valor a partir de recursos intangíveis.

Mapeie seu ecossistema: a quais espaços livres ou ociosos você tem acesso? Quais equipamentos, ferramentas, instrumentos, materiais ou veículos você possui? Utilize a tecnologia para convergir e ativar tais recursos e assim você estará aplicando a Economia Compartilhada.

A potência está na convergência.

Reflita sobre quais grupos e comunidades você está ligado. A quais lideranças e meios de comunicação você tem acesso. Esta é a sua rede. Ativando-a você estará gerando exponencialidade. Isto é Economia Colaborativa, gestão em rede.

E a combinação destas 3 economias exponenciais: Criativa, Compartilhada e Colaborativa irá gerar valor muito além do financeiro.

Ainda não temos métricas padronizadas para compreender tais valores, por isso precisamos da Economia Multimoedas. Para mensurar os impactos não só financeiros, mas também culturais, ambientais e sociais de cada iniciativa nas novas economias.

Estes conceitos foram sintetizados pela futurista Lala Deheizelin, que os chamou de Fluxonomia 4D.

fluxonomia4d
Fluxonomia 4D – Lala Deheinzelin

Somos ricos pois somos abundantes em recursos: criativos, culturais, ambientais, físicos, tecnológicos, sociais. Mas estamos pobres pois ainda não estamos preparados para enxergar tais recursos.

Portanto perceber crise como transição requer alterar o ponto de vista, enxergar os recursos disponíveis e compreender como ativá-los para gerar valor.

Assim como fizeram Brian e Joe do Airbnb, o primeiro passo é ajustar as nossas lentes.

Ponto de Vista - Cocriando Valor

Saiba que você também pode criar modelos de negócios inovadores a partir das novas economias utilizando recursos exponenciais. A Iniciativa Cocriando Valor oferece oficinas de inovação para organizações. Saiba mais enviando um e-mail para: alonso@cocriandovalor.com

Para saber mais sobre Novas Economias e Mundo em Transição, leia sobre a Fluxonomista Lala Deheinzelin, que sintetizou as 4 Novas Economias Exponenciais em uma matriz chamada Fluxonomia 4D.

Se você gostou deste conteúdo, clique aqui para assinar nossa lista e receber nossos artigos sobre inovação e transição.


Por Alonso Alves Pereira Neto

Leia mais sobre Economia Criativa em meu artigo Economia Criativa, A Chave para Ativar um Futuro Abundante

Também escrevi sobre o conflito do Uber: Sinal dos tempos, o Uber e a nova economia

Cocriando Valor

Anúncios

Um comentário sobre “E se a crise for uma transição?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s